Blog do Nilson Xavier

“Além do Horizonte” ignorou o Ibope e manteve sua essência até o fim

Nilson Xavier

Juliana Paiva (Lili) e Rodrigo Simas (Marlon) (Foto: Divulgação/TV Globo)

Juliana Paiva (Lili) e Rodrigo Simas (Marlon) (Foto: Divulgação/TV Globo)

Trama policial com ficção científica, recheada de mistérios e aventura, tendo como cenário a Amazônia e seu imaginário. Inusitado? Nem tanto. Marcos Bernstein e Carlos Gregório, os autores de “Além do Horizonte” – a novela das sete da Globo que terminou nesta sexta, 02/05 – passearam por caminhos já trilhados, com referências a seriados americanos de aventura, de “Jim das Selvas” a “Lost”, passando por filmes como “A Ilha do Dr. Moreau”, “A Vila”, “Horizonte Perdido” e “Jurassic Park”.

Um interessante misto de folhetim com aventura, “Além do Horizonte” trouxe de volta em seu roteiro o “dossiê”, um elemento clássico nas novelas que andava meio abandonado, ou fora de moda, por conta de pendrives e métodos mais modernos de armazenamento de informações. A novela também resgatou a “areia movediça” (ou “lama gulosa”), presente em todo seriado de aventura antigo ambientado em uma mata. Por sua temática e realização, há de se elogiar a direção competente de Gustavo Fernandez (o diretor geral), e a beleza das imagens através da ótima fotografia, comandada por Paulo Souza.

Além do Horizonte” nem foi a primeira novela a incursionar pelo gênero da aventura: “Os Mutantes”, da Record (2007-2009), já era mais ou menos assim, acrescida de doses cavalares de fantasia. A Globo já havia flertado com a ficção científica em uma novela das sete: “Tempos Modernos”, em 2010, tinha um “edifício inteligente” comandado por um robô. A audiência rejeitou a história inicial de Bosco Brasil, que se virou para mudar tudo na trama e deixá-la mais salutar ao grande público – inclusive liquidando com o tal robô. A ousadia tem um preço e, na época, a Globo não quis pagar. Mas o estrago já estava feito.

Além do Horizonte” trilhou um caminho semelhante. A exemplo de “Tempos Modernos” em sua época, ficou com o título de “novela de menor audiência da história no horário das sete da Globo” – fechou com uma média de 20 pontos no Ibope da Grande São Paulo (as duas anteriores, “Sangue Bom” e “Guerra dos Sexos”, terminaram com 25 e 23 pontos, respectivamente). Claro que deve-se considerar também que “Além do Horizonte” estreou em pleno início do ingrato Horário de Verão, quando toda a grade enfrenta uma queda de audiência.

Assim como “Tempos Modernos”, “Além do Horizonte” passou por ajustes. Mas eles foram poucos, pontuais. A história de mistério, inicialmente nebulosa demais, com a temática da felicidade – subjetiva demais -, só confundiu e afastou o telespectador. A trama só fluiu a partir do momento em que o mistérios foram sanados e ficou claro quem era o mocinho e quem era o bandido – dando lugar assim à trama policial.

Thiago Rodrigues (William), Mariana Rios (Celina), JP Rufino (Nilson) e Isaac Bardavid (Klaus) (Foto: Divulgação/TV Globo)

Thiago Rodrigues (William), Mariana Rios (Celina), JP Rufino (Nilson) e Isaac Bardavid (Klaus) (Foto: Divulgação/TV Globo)

Também o humor e o romance foram intensificados, inclusive com remanejamento de casais. O trio romântico inicialmente pensado – William (Thiago Rodrigues), Lili (Juliana Paiva) e Rafa (Vinícius Tardio) – se desfez e novos casais se formaram. A protagonista Lili foi direcionada a Marlon (Rodrigo Simas) – cuja química entre os jovens atores já havia sido anteriormente testada na “Malhação”. Para William, a professora Celina (Mariana Rios), e Rafa, personagem que inicialmente teria uma importância maior, ficou para escanteio, unindo-se a Ana Fátima (Yanna Lavigne).

Outro estranhamento inicial do público foi o elenco, cuja estrutura em muito lembrava a “Malhação”: protagonistas jovens e desconhecidos apoiados em atores veteranos que ficavam em segundo plano, e a ausência de “atores medalhões”. Mesmo assim, “Além do Horizonte” teve ótimas surpresas em seu elenco, com destaque para os iniciantes JP Rufino (o menino Nilson), a hilária dupla Luciana Paes e Mariana Xavier (como as irmãs Selma e Rita), e o casal interpretado por Laila Zaid e Igor Angelkorte (Priscila e Marcelo). Também um ótimo trabalho de Mariana Rios (Celina) e a trinca de vilões vividos por Antônio Calloni, Carolina Ferraz e Marcello Novaes (LC, Tereza e Kleber).

Para o autores, foi bom aprender que novela é folhetim e sua estrutura folhetinesca é imutável – caso contrário, deixa de ser novela. O público está habituado a ver uma novela no horário e, se não a identifica, rejeita. Os autores conseguiram contornar a situação eficientemente e as pequenas alterações pelas quais passou “Além do Horizonte” a deixaram mais objetiva e mais atraente.

Diferente de “Tempos Modernos”, que sacrificou sua sinopse original, “Além do Horizonte” não perdeu sua essência e foi até o fim com sua proposta inicial, independente de números de Ibope. Um bom sinal de que a Globo já se preocupa menos com números de audiência de suas novelas, que despencam ano após ano. Quem aprovou a sinopse de “Além do Horizonte”, sabia que seria arriscado e ousado.

A aposta em manter a novela intocável talvez já reflita a configuração de novos cenários para a TV aberta, em que já se fecha os olhos para os engessados números do famigerado “Ibope da Grande São Paulo”. Não que o Ibope não seja mais um dado importante. Mas, talvez, nunca antes tenha ficado evidente o tanto que o Ibope cada vez mais tem menos a ver com qualidade ou com o que o público realmente vê ou quer ver. Conclusões melhores, só com o tempo.