Blog do Nilson Xavier

Personagens de A VIDA DA GENTE se justificam com o público através de seus amigos confidentes

Nilson Xavier

10/01/2012 07h00

É assim desde o início de A Vida da Gente: os personagens brigam, se aborrecem, sofrem e vão chorar as suas mágoas com seus amigos e confidentes. Rodrigo com Lourenço, Rodrigo com Nanda, Ana com Alice, Manu com Alice, Lúcio com Celina, Dora com Celina, Celina com Dora, Laudelino com Wilson, etc. Explicam o que estão sentindo, as suas razões, e ouvem do amigo algum conselho. Este é um recurso fartamente usado pela autora Lícia Manzo, existente em praticamente todos os capítulos da novela.

Os personagens confidentes são chamados no jargão novelístico de personagens-orelha, ou seja, aqueles para quem o interlocutor vai explicar as razões de seus atos, ou o que está sentindo. Na verdade, funciona como se o personagem estivesse falando com a câmera e dialogando ou se explicando com o público. Ou simplesmente pensando alto.

No caso de A Vida da Gente, é mais do que isso. O confidente, o personagem-orelha, não apenas ouve ou concorda, mas aconselha, sugere como o outro deve agir ou se sentir. É o papel do Grilo Falante da história de Pinóquio. Mais do que um reflexo da consciência do outro, é o senso crítico, ou senso comum, sendo apresentado pela autora da novela. É como se ela quisesse passar a sua mensagem para o público através do personagem-orelha. Ou como se estivesse querendo chamar o público à reflexão.

Por mais pesados que sejam os dramas que os personagens levam aos seus confidentes, a réplica será sempre de um consenso geral, que pode não trazer uma solução para o problema, mas leva o personagem – e o telespectador – à reflexão, de seus atos ou dos acontecimentos.

A Vida da Gente não é uma novela em que o espectador permanece passivo. Ela precisa ser digerida, analisada. Os personagens não agem à baila de impulsos gratuitos. Por ser uma trama psicológica – cujos personagens agem e mexem com as emoções, ou são guiados por elas -, a novela desperta no público o julgamento e a análise dos atos dos personagens. A autora usa o confidente com o intuito de guiar o telespectador no esforço para que esses julgamentos não sejam unilaterais, mas imparciais.

Só acho pouco coerente fazer de Alice (Stephany Brito) a personagem-orelha de Ana (Fernanda Vasconcellos), uma vez que Alice não tem uma boa estrutura emocional para aconselhar alguém com dramas tão pesados como os de Ana. Vide o desejo de Alice de forçar uma situação com o pai biológico e o pai de criação juntando-os no mesmo local de trabalho e achando que dali vai nascer uma grande amizade.

Sobre o autor

Nilson Xavier é catarinense e mora em São Paulo. Desde pequeno, um fã de televisão: aos 10 anos já catalogava de forma sistemática tudo o que assistia, inclusive as novelas. Pesquisar elencos e curiosidades sobre esse universo tornou-se um hobby. Com a Internet, seus registros novelísticos migraram para a rede: em 2000 lançou o site Teledramaturgia (http://www.teledramaturgia.com.br/), cujo sucesso o levou a publicar o Almanaque da Telenovela Brasileira, em 2007.

Sobre o blog

Um espaço para análise e reflexão sobre a produção dramatúrgica em nossa TV. Seja com a seriedade que o tema exige, ou com uma pitada de humor e deboche, o que também leva à reflexão.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Topo