Blog do Nilson Xavier

Viva a Diferença: Cao Hamburger inova a Malhação na forma e conteúdo

Nilson Xavier

11/06/2017 07h00

Lina Agifu, Juan Paiva e Heslaine Vieira (Foto: reprodução)

Na coletiva de imprensa de “Malhação, Viva a Diferença”, perguntei a Cao Hamburger, seu idealizador, se o programa retrataria a juventude paulistana que frequenta lugares como a Praça Roosevelt e o Baixo Augusta – já que a maior propaganda da novela era o jovem de São Paulo e sua diversidade. Ele respondeu que estava fora do escopo do programa.

Nem poderia ser, afinal “Malhação” é exibida à tarde e mira um público adolescente, menor de idade. E por mais que a proposta seja realista, seu compromisso com a realidade pode ser bem flexível. É ficção, não é documentário.

Porém, sempre me incomodou a maneira como “Malhação”, na maioria das vezes, retratou o jovem: de forma idealizada, romantizada, ou didática, mesmo quando abordou a problemática da juventude (e algumas vezes o fez muito bem). A “juventude de mentirinha do Projac”.

Em “Viva a Diferença”, Cao Hamburger esbarra nas limitações próprias do formato. O programa tem histórias já vistas anteriormente: gravidez precoce, discussão sobre racismo, adolescentes que sofrem com a separação dos pais, ricos vs. pobres. Mesmo assim, Cao consegue sair do lugar comum e imprimir sua marca ao mesmo tempo em que injeta frescor nas tardes da Globo – na forma e no conteúdo.

As meninas protagonistas são ótimas, tanto as personagens, muito ricas, quanto as atrizes que as interpretam: Ana Hikari (Tina), Daphne Bozaski (Benê), Gabi Medvedovski (Keila), Heslaine Vieira (Ellen) e Manoela Aliperti (Lica). Todas têm chance de brilhar e é tudo pensando para que essa dosagem seja homogênea. Não há um protagonismo.

Lina Agifu | Heslaine Vieira (Foto: divulgação/TV Globo)

Junto ao sotaque carioca – outra marca registrada de mais de vinte anos de “Malhação” – entra o paulistanês e o sotaque neutro (as atrizes são de regiões diversas). Outra novidade é o programa não limitar-se à cidade cenográfica. Apesar de a maioria das cenas serem gravadas nos Estúdios Globo, no Rio, a paisagem urbana de São Paulo é presente.

Porém, o maior diferencial é o texto. Uma mistura muito feliz de velhos chavões de “Malhação” com uma dramaturgia envolvente. O jovem de Cao Hamburger não é estúpido e nem boçal. Também não o vejo idealizado, romantizado. O autor se mantem fiel à proposta de discutir a diferença usando velhos clichês, mas de forma eficiente.

No capítulo da última sexta-feira (09/06), houve uma longa cena sobre racismo e preconceito social. A lente de aumento na personagem racista Mitsuko (Lina Agifu) – necessária para demarcar a discussão – poderia facilmente cair no discurso batido da dualidade “os bons vs. os maus”, a classe dominante opressora vs. o negro pobre vitimizado. Mas Mitsuko, Ellen (Heslaine Vieira) e Anderson (Juan Paiva) são personagens tão bem elaborados que dão credibilidade à ação.

Isso acontece quando há a construção minuciosa dos personagens e cumplicidade entre texto, direção e atores. A sequência toda foi ótima, bem escrita, dirigida e interpretada. O clichê fica crível quando o personagem tem estofo, o texto não subestima o público e a direção está em total sintonia com a proposta. Viva a Malhação diferente das outras!

Siga no FacebookTwitterInstagram

Sobre o autor

Nilson Xavier é catarinense e mora em São Paulo. Desde pequeno, um fã de televisão: aos 10 anos já catalogava de forma sistemática tudo o que assistia, inclusive as novelas. Pesquisar elencos e curiosidades sobre esse universo tornou-se um hobby. Com a Internet, seus registros novelísticos migraram para a rede: em 2000 lançou o site Teledramaturgia (http://www.teledramaturgia.com.br/), cujo sucesso o levou a publicar o Almanaque da Telenovela Brasileira, em 2007.

Sobre o blog

Um espaço para análise e reflexão sobre a produção dramatúrgica em nossa TV. Seja com a seriedade que o tema exige, ou com uma pitada de humor e deboche, o que também leva à reflexão.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Topo