Blog do Nilson Xavier

Por que não se deve comparar "Deus Salve o Rei" com "Que Rei Sou Eu?"

Nilson Xavier

12/01/2018 07h00

 

Rosamaria Murtinho, a rainha de “Deus Salve o Rei” | Tereza Rachel, a rainha de “Que Rei Sou Eu?”

Desde antes de sua estreia, “Deus Salve o Rei” (nova novela das 7 da Globo) sofre comparações com “Game of Thrones“, uma das mais bem sucedidas séries da HBO, e com “Que Rei Sou Eu?“, novela de capa-e-espada que a Globo produziu em 1989. Concordo com “GoT“, afinal são produções atuais e não há dúvida de que a série da HBO inspirou a estética de “Deus Salve o Rei” – mas não apenas ela, também as séries “Vikings“, “Once Upon a Time” e outras.

Entretanto, com “Que Rei Sou Eu?” a comparação soa imprópria. São histórias de capa-e-espada sim, mas suas tramas se passam em épocas bem diferentes e são produções em contextos díspares de público e cenário televisivo. Entretanto, foi o próprio diretor de “Deus Salve o Rei“, Fabrício Mamberti, quem primeiro citou “Que Rei Sou Eu?” ao anunciar a nova novela: “Quem deu o primeiro sopro para Deus Salve o Rei foi Abu. Ele é um ícone e um mascote desse projeto“, referindo-se a Antônio Abujamra, o bruxo Ravengar da novela dos anos 80.

O que une “Deus Salve o Rei” a “Que Rei Sou Eu?” é o fato de serem as únicas produções de capa-e-espada da dramaturgia da Globo – excetuando o período de 1966 a 1969 (início da emissora), com as novelas supervisionadas pela cubana Glória Magadan (como “A Ponte dos Suspiros”, “Rosa Rebelde” e “Demian o Justiceiro”). A título de referência, convencionou-se que a dramaturgia da Globo começa para valer a partir de 1970, momento em que a emissora modernizou-se e conquistou a hegemonia nacional.

Vale salientar que “Deus Salve o Rei” e “Que Rei Sou Eu?” são novelas das sete da noite, horário no qual raríssimas vezes a Globo exibiu produções de época: além delas, “Bang Bang“, em 2005, com ambientação no faroeste norte-americano, “Kubanacan“, em 2003, centrada na década de 1950 em um fictício país da América Latina, e “Estúpido Cupido“, produzida em 1976 mas ambientada no início dos anos 1960.

As tramas de “Deus Salve o Rei” e “Que Rei Sou Eu?” não se passam na mesma época, como muitos imaginam: enquanto a primeira tem referências na Idade Média sem precisar o ano, a trama da segunda se inicia em 1786, às vésperas da Revolução Francesa, na transição da Idade Moderna para a Contemporânea. Ou seja, apesar de castelos, rainhas e príncipes, “Que Rei Sou Eu?” não é uma história medieval.

Posto isso, são quase trinta anos que separam as produções de “Deus Salve o Rei” e “Que Rei Sou Eu?“. Tirando a abordagem capa-e-espada, são propostas completamente diferentes, produzidas em épocas e contextos da TV brasileira muito diferentes.

Que Rei Sou Eu?” fazia uma sátira política ao Brasil, uma metáfora entre o fictício Reino de Avilan e o país, sua rainha e conselheiros com nossos políticos. Havia uma forte crítica à corrupção e ao jeitinho brasileiro de se dar bem e levar vantagem. Era uma novela engajada, uma tendência da época – 1989, o primeiro ano em que o brasileiro votou para presidente da República depois de um jejum de mais de vinte anos. Como “Que Rei Sou Eu?“, “Vale Tudo” e “O Salvador da Pátria“, produções contemporâneas, também tinham esse viés, digamos, social e político. Ainda: era uma época em que as novelas globais dominavam a preferência do povo, como entretenimento sem custo para uma audiência sem muitas opções.

Quase trinta anos depois, o público de “Deus Salve o Rei” é completamente diferente, assim como a nossa Televisão. Hoje, a concorrência com outras formas de entretenimento (entenda plataformas e mídias) tirou da telenovela o posto de rainha do horário nobre. “Deus Salve o Rei” não tem a menor intenção de satirizar a situação política brasileira, como “Que Rei Sou Eu?” fez. São novelas de propostas diferentes (a antiga farsesca, a atual dramática) separadas por trinta anos que transformaram a forma de consumir televisão.

Que Rei Sou Eu?” era melhor? Outro peso e outra medida para aplicar algum juízo de valor. Fora que a nova novela das sete acabou de começar, foram apenas três capítulos no ar!

Fotos: divulgação/TV Globo.
Siga no FacebookTwitterInstagram

Sobre o autor

Nilson Xavier é catarinense e mora em São Paulo. Desde pequeno, um fã de televisão: aos 10 anos já catalogava de forma sistemática tudo o que assistia, inclusive as novelas. Pesquisar elencos e curiosidades sobre esse universo tornou-se um hobby. Com a Internet, seus registros novelísticos migraram para a rede: em 2000 lançou o site Teledramaturgia (http://www.teledramaturgia.com.br/), cujo sucesso o levou a publicar o Almanaque da Telenovela Brasileira, em 2007.

Sobre o blog

Um espaço para análise e reflexão sobre a produção dramatúrgica em nossa TV. Seja com a seriedade que o tema exige, ou com uma pitada de humor e deboche, o que também leva à reflexão.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Topo