Blog do Nilson Xavier

"Orgulho e Paixão" acerta com trama ágil repleta de romance e aventura

Nilson Xavier

15/04/2018 07h00

Alessandra Negrini e Nathalia Dill (Foto: divulgação/TV Globo)

A novela das seis da Globo, “Orgulho e Paixão“, oferece um entretenimento despretensioso, leve e agradável. Contudo, a maior qualidade do folhetim assinado por Marcos Bernstein é o dinamismo de sua trama. Praticamente um mês no ar e tanta coisa aconteceu! Trata-se de uma comédia romântica com forte teor aventuresco. Perceba que, além dos imbróglios amorosos e açucarados, há personagens destemidos, ousados e que estão sempre desafiando o status quo ou, no mínimo, se metendo em confusões.

Isso confere à produção uma agilidade narrativa empolgante. Se resumirmos a trama como a história de uma mãe ávida por casar suas cinco filhas, o fato de a personagem de Vera Holtz estar sempre arfante, ofegante, diz muito sobre a novela como um todo.

Malvino Salvador como o motoqueiro herói da trama (Foto: reprodução)

Para impingir esse ritmo, o autor não limitou-se aos romances de Jane Austen nos quais sua novela é livremente inspirada. O motoqueiro vivido por Malvino Salvador é uma espécie de herói mascarado que mais parece saído de histórias em quadrinhos ou dos seriados americanos da década de 60; o interesse de Cecília (Anaju Dorigon) por livros de mistérios e pela mansão dos Tibúrcio é inspirada em Austen, mas tem um quê de Edgar Allan Poe (ou Conan Doyle, J. K. Rowling até); a governanta Fanny (Tammy Di Calafiori) não por acaso remete à governanta do filme “Rebecca“, de Hitchcock; a caracterização de Gabriela Duarte lembra a madrasta da Cinderela – haverá um baile para o filho de sua personagem (Maurício Destri como a personificação do príncipe da Disney) escolher uma pretendente; Alessandra Negrini e Grace Giannoukas vivem uma ardilosa e divertida dupla – parecem personagens de desenho animado (Dick Vigarista e Muttley).

Orgulho e Paixão” é bem mais que uma comédia romântica. Ainda que o maniqueísmo impere, o autor absorveu o espirituosismo dos personagens de Jane Austen e mesclou com pitadas de Edgar Allan Poe, Julio Verne, Daphne du Maurier (por Hitchcock), Charles Perrault, Disney, super heróis de histórias em quadrinhos e de seriados de matinê, e o que mais fizer lembrar a tríade romance-mistério-aventura. Uma fusão muito feliz de várias referências pop sem perder o foco no folhetim – afinal, é uma telenovela. É despretensiosa, leve, agradável e divertida.

Siga no Facebook – Twitter – Instagram

Sobre o autor

Nilson Xavier é catarinense e mora em São Paulo. Desde pequeno, um fã de televisão: aos 10 anos já catalogava de forma sistemática tudo o que assistia, inclusive as novelas. Pesquisar elencos e curiosidades sobre esse universo tornou-se um hobby. Com a Internet, seus registros novelísticos migraram para a rede: em 2000 lançou o site Teledramaturgia (http://www.teledramaturgia.com.br/), cujo sucesso o levou a publicar o Almanaque da Telenovela Brasileira, em 2007.

Sobre o blog

Um espaço para análise e reflexão sobre a produção dramatúrgica em nossa TV. Seja com a seriedade que o tema exige, ou com uma pitada de humor e deboche, o que também leva à reflexão.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Topo