Blog do Nilson Xavier

Novo “Cidade dos Homens” trocou o tom documental de antes por uma narrativa de novela

Nilson Xavier

Luan Pessoa, Darlan Cunha, Douglas Silva e Carlos Eduardo Jay (Foto: Ellen Soares/TV Globo)

Luan Pessoa, Darlan Cunha, Douglas Silva e Carlos Eduardo Jay (Foto: Ellen Soares/TV Globo)

Não pense que você encontrará na nova “Cidade dos Homens” (exibida a partir de hoje, 17/01, em 4 capítulos) o mesmo tom documental carregado de realidade que tinha a atração da década passada. Como reverência à série que marcou os anos 2000 na TV, a atual faz uma releitura louvável. Apresenta Darlan Cunha (Laranjinha) e Douglas Silva (Acerola) maduros tanto fisicamente quanto nas interpretações – os dois têm ótimos momentos dramáticos.

O roteiro é assinado por George Moura e Daniel Adjafre, a direção é de Pedro Morelli. A atração costura a trama atual com histórias já vistas nas temporadas do passado, quando os atores eram crianças. Assim acompanhamos Darlan Cunha e Douglas Silva em várias fases de suas vidas.

A nova “Cidade dos Homens” vende a ideia de que os antigos Laranjinha e Acerola foram substituídos por seus filhos: Davi (Luan Pessoa, o menorzinho), filho de Laranjinha, e Clayton (Carlos Eduardo Jay, o gordinho), filho de Acerola. As novas crianças têm química e fazem um excelente trabalho.

Entretanto, o programa atual abre mão do tom documental do antigo para transformar a narrativa num dilema dramático digno de novela. Davi tem uma doença grave e Laranjinha, para salvar a vida do filho, precisa de uma quantia alta para pagar a cirurgia num hospital particular. As questões éticas continuam, porém agora sustentadas num arco melodramático mais palatável e menos documental.

Hoje os novos meninos têm o suporte dos pais, que os auxiliam ética e moralmente. Diferente de quando Laranjinha e Acerola agiam sozinhos, sem o menor filtro ou apoio adulto. O foco na autenticidade das interpretações de Darlan Cunha e Douglas Silva crianças impregnava o programa de uma realidade documental que a nova atração descartou. Repare no capítulo de quinta-feira, que reconta o episódio “Palace II” da série original. Esta é uma outra “Cidade dos Homens”, numa abordagem diferente, digamos, mais fácil.

PS. A trama da minissérie remete à clássica novela “Pecado Capital“, de Janete Clair: uma enorme quantia de dinheiro é encontrada levando ao dilema de devolver ou não, já que o dinheiro salvaria uma vida. No último episódio, pensei ouvir “dinheiro na mão é vendaval, é vendaval…

Siga no TwitterFacebookInstagram

Sobre o autor

Nilson Xavier é catarinense e mora em São Paulo. Desde pequeno, um fã de televisão: aos 10 anos já catalogava de forma sistemática tudo o que assistia, inclusive as novelas. Pesquisar elencos e curiosidades sobre esse universo tornou-se um hobby. Com a Internet, seus registros novelísticos migraram para a rede: em 2000 lançou o site Teledramaturgia (http://www.teledramaturgia.com.br/), cujo sucesso o levou a publicar o Almanaque da Telenovela Brasileira, em 2007.

Sobre o blog

Um espaço para análise e reflexão sobre a produção dramatúrgica em nossa TV. Seja com a seriedade que o tema exige, ou com uma pitada de humor e deboche, o que também leva à reflexão.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 
Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Topo