Blog do Nilson Xavier

Ana Beatriz Nogueira é o maior destaque em "Rock Story"

Nilson Xavier

19/01/2017 11h05

Ana Beatriz Nogueira em "Rock Story" (Foto: divulgação/TV Globo)

Ana Beatriz Nogueira em “Rock Story” (Foto: divulgação/TV Globo)

Em meio a um elenco tão bem escalado, com ótimas atuações, convém sempre destacar na novela das sete “Rock Story” o trabalho de Ana Beatriz Nogueira, que dá vida à engraçada Dona Neia. Assistia ao capítulo de ontem e tuitei: “Dona Neia é uma personagem incrível”, no que Maria de Médicis (uma das diretoras da novela) complementou: “A personagem é incrível, mas Ana Beatriz é gênia!”.

O texto de Maria Helena Nascimento contribui muito para a atriz deitar e rolar em cena. Dona Neia é uma ex-gari que enriqueceu por intermédio do filho, Léo Régis (Rafael Vitti), um astro da música. A personagem poderia ter seguido o caminho mais fácil e batido: ter se tornado a perua nova rica cafona e deslumbrada. Mas não. Dona Neia é rica e ponto. Não faz a linha “humilde que nunca esqueceu os tempos de pobreza”, mas tampouco repete tipos que estamos carecas de ver em novelas.

Dona Neia é tão somente a mãe extremamente zelosa com o filho, dominadora e castradora, com um olho em sua carreira e outro nas mulheres que se aproximam dele, ciumenta de todas. Em tom cômico, a personagem é capaz de todas as chantagens emocionais e golpes baixos possíveis para defender os interesses de seu rebento e comandar sua vida amorosa.

A trama envolvendo Dona Neia está rendendo situações hilárias: a fim de impedir o casamento de Léo Régis com Diana (Alinne Moraes), ela uniu-se ao vilão Lázaro (João Vicente de Castro) para simular o próprio sequestro. Só que o plano deu errado e Neia acabou sequestrada de verdade. No capítulo dessa quarta-feira (18/01), Ana Beatriz teve uma cena ótima com Rafael Vitti, em que sua personagem, não conseguindo mais manter a farsa para o filho, revela a verdade sobre o sequestro.

Não foi a primeira vez que Ana Beatriz Nogueira viveu uma mãe superprotetora: em “Caminho das Índias” (2009) ela foi Ilana, que defendia com unhas e dentes o filho, o pitboy Zeca (Duda Nagle). Versátil, a atriz já interpretou vários tipos na televisão, como a sem-terra Jacira de “O Rei do Gado”, a vilã Ana Paula de “Celebridade”, a governanta Frau Herta de “Ciranda de Pedra”, Eva Fonseca, excelente papel dramático em “A Vida da Gente”, Maria Aparadeira de “Saramandaia” e Emília em “Além do Tempo”, outra marcante interpretação.

Ana Beatriz Nogueira destacou-se primeiro no cinema, no premiado filme “Vera”, de 1987. Até o momento, são doze filmes em seu currículo. Em 1986, estreou na televisão, na novela “Mania de Querer” da TV Manchete. De lá para cá, foram 18 novelas e 4 minisséries. A estreia na Globo foi em 1991, na novela “Felicidade”.

Siga no TwitterFacebookInstagram

Sobre o autor

Nilson Xavier é catarinense e mora em São Paulo. Desde pequeno, um fã de televisão: aos 10 anos já catalogava de forma sistemática tudo o que assistia, inclusive as novelas. Pesquisar elencos e curiosidades sobre esse universo tornou-se um hobby. Com a Internet, seus registros novelísticos migraram para a rede: em 2000 lançou o site Teledramaturgia (http://www.teledramaturgia.com.br/), cujo sucesso o levou a publicar o Almanaque da Telenovela Brasileira, em 2007.

Sobre o blog

Um espaço para análise e reflexão sobre a produção dramatúrgica em nossa TV. Seja com a seriedade que o tema exige, ou com uma pitada de humor e deboche, o que também leva à reflexão.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Topo