Blog do Nilson Xavier

A TV precisa de mais bons roteiros e sutileza como em "Sete Vidas"

Nilson Xavier

10/07/2015 19h19

“Podemos conversar?”
Essa foi a frase mais ouvida em “Sete Vidas”, a novela das seis da Globo que terminou nesta sexta-feira, 10/07. A trama repleta de DRs (discussões de relação) primou por um texto de altíssima qualidade, profundo e sutil, o grande diferencial da autora, Lícia Manzo, ao retratar relações humanas com muita sensibilidade. Talvez daí se explique a legião de fãs ante personagens e dramas de fácil identificação e simbiose.

Idealizada para ser curta – teve apenas 106 capítulos, quatro meses no ar –, se justifica a sensação de “quero mais” de seu público. Mas, convenhamos, a história do encontro das sete vidas concebidas artificialmente a partir de um mesmo pai biológico rendeu tudo o que tinha para render. Já nas últimas semanas, percebeu-se uma certa enrolação, que só não incomodou por conta de sua galeria de personagens cativantes.

setevidas_reginaDidática na medida certa, a novela também abordou temas espinhosos, como alienação parental e homossexualidade e preconceito – neste último exemplo, sem levantar bandeiras ou ser pretensamente panfletária. Um grande destaque para Regina Duarte, em uma coadjuvante que brilhou pela interpretação da atriz e pelo texto da autora. Também – o até então desconhecido do grande público – Fábio Herford, ao dar vida ao sensível Eriberto, um personagem riquíssimo que rendeu bem.

Produção caprichada e uma das melhores trilhas sonoras do últimos tempos. E o que seria do ótimo texto se não fosse um elenco e uma direção de atores à altura? E “Sete Vidas” preencheu os requisitos. Direção geral de Jayme Monjardim e atores bem escalados. Débora Bloch em uma de suas melhores interpretações na televisão. Gisele Fróes e Maria Eduarda Carvalho repetindo tipos que defenderam muito bem na novela anterior da autora, “A Vida da Gente” (2011-2012). Também um grande destaque para Cláudia Mello, Cyria Coentro, Malu Galli e o novato Michel Noher (o argentino Felipe).

Ao mesmo tempo, alguns bons atores que poderiam render bastante, não passaram de figuração de luxo: Selma Egrei, que era a mãe das personagens de Débora Bloch e Malu Galli, simplesmente sumiu da trama. Também os pais de Felipe, vividos por Jean-Pierre Noher e Lígia Cortez.

setevidas_deboraSete Vidas” também poderia se chamar “A Vida da Gente”. Lícia Manzo tem um texto naturalista, que se apropria da realidade de forma folhetinesca, mas sem os maniqueísmos, exageros ou arroubos do folhetim, sem grandes vilões, apelações, correrias ou acontecimentos catárticos para chamar a atenção do público. A autora conquista apenas pela sutileza dos diálogos e dos dramas universais vividos pelos personagens, que bem poderiam ser nossos amigos, parentes ou vizinhos, eu ou você.

Aqui cabe apenas uma crítica à autora, algo já percebido em “A Vida da Gente”. Seus dramas são universais e acometem todos os gêneros, mas percebe-se um maior afinco de Lícia ao retratar personagens femininas em detrimento aos masculinos, em sua maioria reconhecidos como fracos, emocionalmente imaturos e/ou dependentes, ou mesmo “bananas”.

Entende-se que a audiência da novela das seis é – em teoria – predominantemente feminina. Mas já que o estilo da autora é naturalista, uma melhor dosagem caberia bem, sem desmerecer nenhum gênero. Ainda mais porque Lícia Manzo tem um texto digno de um horário mais nobre, em que o público é bem mais amplo do que apenas as telespectadoras do horário das seis. Nossa televisão carece de roteiristas assim. #LiciaParaAs9 #ficaadica

Leia também: Maurício Stycer – Sete motivos por que vamos sentir saudades de “Sete Vidas”.

Audiência: “Sete Vidas” foi bem de audiência, fechou com uma média final de 19,4 pontos no Ibope da Grande São Paulo, elevando em dois pontos a média do horário das seis, quando comparada com as novelas anteriores – “Boogie Oogie” 17,4; “Meu Pedacinho de Chão” 17,78; “Joia Rara” 18,4. Fonte: Fábio Dias, blog “O Cabide Fala”.

Isabelle Drummond, Michel Noher, Maria Eduarda Carvalho e Thiago Rodrigues (Fonte: Reprodução)

Isabelle Drummond, Michel Noher, Maria Eduarda Carvalho e Thiago Rodrigues (Fonte: Reprodução)

Sobre o autor

Nilson Xavier é catarinense e mora em São Paulo. Desde pequeno, um fã de televisão: aos 10 anos já catalogava de forma sistemática tudo o que assistia, inclusive as novelas. Pesquisar elencos e curiosidades sobre esse universo tornou-se um hobby. Com a Internet, seus registros novelísticos migraram para a rede: em 2000 lançou o site Teledramaturgia (http://www.teledramaturgia.com.br/), cujo sucesso o levou a publicar o Almanaque da Telenovela Brasileira, em 2007.

Sobre o blog

Um espaço para análise e reflexão sobre a produção dramatúrgica em nossa TV. Seja com a seriedade que o tema exige, ou com uma pitada de humor e deboche, o que também leva à reflexão.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Blog do Nilson Xavier
Topo